Adquira o CD "Prova de Amor"

Adquira o CD "Prova de Amor"

terça-feira, 8 de maio de 2012

Sula Miranda - A Rainha dos Caminhoneiros volta ao sertanejo para celebrar carreira


A Rainha dos Caminhoneiros está de volta. Após mais de cinco anos de dedicação à música gospel e a outros projetos pessoais, a cantora Sula Miranda está retornando aos palcos sertanejos para comemorar seus 25 anos de carreira solo, período marcado pela conquista de uma legião de fãs entre os motoristas de caminhão.
Esse carinho por parte da categoria foi determinante para sua decisão de voltar à vida da estrada, como conta em entrevista concedida ao Terra. Veja os principais trechos: 

Terra - Como iniciou sua relação com os caminhoneiros?
Sula Miranda - Começou quando eu lancei o primeiro disco e a música de trabalho se chamava Caminhoneiro do Amor. Por conta dela, que foi a de maior sucesso e virou um marco na minha carreira, a imprensa começou a me chamar de Rainha dos Caminhoneiros. A classe comprou essa ideia e, desde então, acabei assumindo essa condição. 

1º disco Sula Miranda lançado em 1986

Terra - Você cantava para eles, mas também abordava as questões da família, saudade, a vida da mulher do motorista. Acabou agradando a toda a família dos caminhoneiros?
Sula - Eu gravei um disco de música sertaneja. Na música sertaneja, se você for observar, desde lá de trás, do Tonico e Tinoco, sempre havia uma música de peão boiadeiro e uma música de caminhoneiro. E como tinham poucas mulheres e poucas pessoas mais jovens, eu fui praticamente a única mulher em carreira solo que acabou se destacando por conta disso. Eu canto música sertaneja, mas não a vida do caminhoneiro e sim da esposa do caminhoneiro. Como os que vieram antes de mim eram homens, eles cantavam “estou na estrada, estou cansado”. E eu canto a vida da esposa do caminhoneiro, falo da saudade.

Terra - Como é a sua relação pessoal com a categoria, você chega a se relacionar com esse público?
Sula – Sempre. De uma forma muito natural. Eu sempre falo que a vida do artista é igual a do caminhoneiro, a gente vive na estrada. Então, inúmeras vezes, eu parava no mesmo posto onde eles param para comer, eu levava uma vida como a deles, viajava pela madrugada. A identificação acabou vindo também daí e o contato é normal. Essa semana, parei num posto tarde da noite, abasteci, fui pagar e o único que me reconheceu foi um caminhoneiro. Então é assim, de uma forma muito simples, muito natural. É uma relação de cumplicidade, de amizade, de respeito.

Terra - Você também se preocupou, ao longo da carreira, com algumas causas defendidas por eles, como maior segurança nas estradas, melhores condições de trabalho, contra uso de drogas, prostituição infantil, entre outras. Ainda faz esse tipo de atividade? Como foi essa experiência?
Sula - Eu sempre fui convidada para fazer alguma coisa relacionada a campanhas, junto o Governo. Eu fiz contra prostituição infantil, antidrogas, contra o rebite. Nem sempre junto ao governo, mas também com empresas que levantavam algumas dessas bandeiras. Sempre aceitei fazer.

Terra - Já dirigiu caminhões?
Sula - Eu dirijo caminhão, sim. Acabei aprendendo por conta da profissão e dessa identificação com o caminhoneiro, além do programa de TV que eu fiz, chamado Roda Brasil. Nos clipes, eu tinha que dirigir e, como era meu universo, acabei aprendendo na marra, literalmente na estrada.

Terra - Você segue abordando esses assuntos dos caminhoneiros nos discos mais recentes ou está mais focada na fé?
Sula - Na verdade, eu hoje vou seguir com as duas carreiras, que acaba sendo uma só, pois eu sou uma só e tem de deixar de lado a divisão, pois há muitos outros cantores da música popular brasileira que também professam sua fé, como o Roberto Carlos, que sempre professou a fé dele. Eu vou continuar cantando sertanejo, retomei esse ano, mas o meu CD também vai ter músicas que professem a fé, que falem de Jesus, que levem também a palavra de Deus de alguma forma para esse público.

Terra - Você interpreta músicas de outros artistas, mas também compõe. Como é esse processo? Você encomenda músicas por assunto? Como você trabalha?
Sula - As de caminhoneiros são literalmente por encomenda, pois poucas pessoas captaram isso, de que eu não canto a vida do caminhoneiro, mas a vida da mulher. Então, a maioria que me manda música, manda como se eu fosse o homem cantando. E aí acaba que eu tenho de pedir aos compositores para passar a ideia do que eu quero, o tema que eu quero abordar, como eu quero falar com o caminhoneiro. Aí nasce sempre uma canção. Como na música que vai sair no meu próximo CD, que foi feita exatamente assim.
Sula Miranda - apresentadora

Cartola - Agência de Conteúdo
Especial para o Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário